O dia nem quase havia rompido e um bando de gente já estava atrás de Jesus: as multidões o procuravam. E tendo-O achado, insistiram que não as deixasse. Lucas 4:43 passa a ser então uma resposta de Jesus para essa multidão que tenta privatizar Aquele que é público. Olhemos com mais cuidado essa resposta de Jesus que passa pelos seguintes temas:

A importância: é necessário

A principal visão que precisamos ter e desenvolver é esta: “Porque Deus amou a cidade...”. A cidade é alvo do amor de Deus. Deus amou tanto a cidade que enviou seu único Filho para que ela encontrasse esperança. E Jesus compreende esse amor do Pai e engaja-se em Sua missão nos centros urbanos. Se a multidão vê Jesus como uma oportunidade do isolamento, numa atitude de egoísmo e desprezo para com os que estão de fora; Jesus olha a necessidade dos outros de forma inclusiva. “O egoísmo não é amor por nós próprios, mas uma desvairada paixão por nós próprios” (Aristóteles). Jesus entende e vê a vida humana por meio da necessidade. A multidão não vê a necessidade do outro – apenas a dela! Jesus, além de ver, se percebe como o agente de Deus para a cidade!

O agente: que eu

Só existe missão (e missionários) porque existem necessidades. Missão é sempre resposta à necessidade. Quem age primeiro é Deus. Jesus se coloca como o agente de Deus: “é necessário que eu”. Existem dois tipos de cristãos: os que não percebem a necessidade dos outros ( “multidões”) e os que percebem a necessidade dos outros (“Jesus”). Ou imitaremos as multidões ou imitaremos Jesus. A igreja só é missionária quando todos se perceberem como agentes da missão.

O método: anuncie

“É necessário que eu anuncie...” Esse anúncio não pode ser interpretado como sendo apenas palavras. Ao estudar os relatos de Lucas sobre o ministério urbano ficamos perplexos ao ver esse homem em ação: “Jesus começou a fazer e a ensinar” (At. 1:1). Ele é “poderoso em obras e palavras, diante de Deus e de todo o povo” (Lc 24:19). Seu anúncio é integral: obra e palavras em Jesus são inseparáveis! A transformação da cidade acontece por meio da manifestação concreta do amor de Deus e poder transformador do Evangelho. O evangelho é Jesus! Ele é a boa notícia em carne e osso, em atitudes e em palavras.

O conteúdo: o evangelho do Reino

É o evangelho do Reino que transforma, tanto as pessoas como as cidades. Jesus disse: “Quando entrarem numa cidade e forem bem recebidos, comam o que for posto diante de vocês. Curem os doentes que ali houver e digam-lhes: O Reino de Deus está próximo de vocês” (Lc 10:8-9). O evangelho do Reino não se trata de distração, mas atração. Somente ele tem o poder de atrair as pessoas para Deus. Só o evangelho do Reino, cujo centro é a cruz, tem o poder de transformar. Infelizmente, existem comunidades que já abriram mão da cruz na sua pregação do evangelho. Pode até ser evangelho, ou seja, não deixa de ser uma notícia que distrai as pessoas, mas certamente não é o evangelho do Reino que atrai as pessoas para Deus por meio da cruz. Jesus disse de forma muito enfática que este e não outro evangelho é que deve ser pregado: “E este evangelho do Reino será pregado em todo o mundo como testemunho a todas as nações” (Mt 24:14).

A inclusividade: também às outras cidades

O desejo das multidões é justamente o contrário: serem exclusivas. A birra de Deus com as pessoas sempre foi essa: enquanto Ele busca a humanidade, o ser humano busca a si mesmo. Dois exemplos de inclusividade nos são dados pelo próprio Jesus na sinagoga de Nazaré: a viúva de Sarepta e Naamã, o sírio. Jesus acabara de reafirmar sua identidade missionária, confirmada na unção do Espírito, para servir especialmente aos excluídos e desfavorecidos do seu tempo. Os judeus, assim como as multidões, achavam que eram destinatários exclusivos da missão. Estavam errados e Jesus tratou logo de desenganá-los dessa ilusão. A missão de Deus é para todos. E a raiva tomou conta dos corações das pessoas (Lc 4:28-29). Mas Jesus em sua vocação missionária não desiste. Ele “passou por entre eles e retirou-se. Então ele desceu a Cafarnaum, cidade da Galiléia, e, no sábado, começou a ensinar o povo” (Lc 4:30-31). Por que desistir, se ele sabe exatamente seu propósito de vida?

A finalidade: pois para isso é que fui enviado

“Para isso” implica em vocação, propósito e senso de destino. Jesus se percebe enviado com esse propósito. A obra não é de Jesus, mas do Pai. Tem uma profunda compreensão da missio Dei. A missão é de Deus que convoca seus agentes para realizá-la. Assim, Jesus é aquele “que andava de cidade em cidade e de aldeia em aldeia, pregando e anunciando o evangelho do Reino de Deus” (Lc 8:1) e como resultado vinha “ter com ele gente de todas as cidades” (Lc 8:4).

Jesus é nosso modelo de missão para cidade. Seu ministério aconteceu nas cidades e regiões do seu tempo: Galiléia (4:41-9:50); Samaria-Judéia (9:51-19:27) e Jerusalém (19:28-24:53). E Ele te convida para andar e visitar as cidades que abençoou com o poder do evangelho. Por onde começar? “Então... regressou para a Galiléia” (Lc 4:14). Aceita o convite?

Jorge Henrique Barro - É doutor em Teologia pelo Fuller Theological Seminary (Pasadena. Califórnia – USA). Fundador e professor da Faculdade Teológica Sul Americana de Londrina. Autor de diversos livros, como “Porque Deus amou o mundo: Igreja & ODS” (Editora Descoberta). Seu trabalho pode ser conhecido também no Blog www.missaourbana.com.br

No próximo dia 9 de março, a FTSA vai sediar o evento promovido pelo Grupo de Professores Cristãos de Londrina – GPC que traz o escritor Solano Portela para tratar o tema: Entendendo a Cosmovisão Cristã e sua relação com a Educação Escolar.

Ao celebrar 25 anos de história, a Faculdade Teológica Sul Americana deseja chegar ainda mais perto da comunidade em Londrina e região (sede do campus atual). Para isso, oferece uma série de encontros no Catuaí Shopping, um bate-papo com seus mestres e doutores.

Estamos iniciando mais um ano letivo e junto a ele as novas promessas e expectativas surgem. Prazos, cobranças, atividades que devemos realizar e deveres para serem cumpridos recheiam nossas agendas.

Em 2019, a FTSA inicia um novo programa que visa atender pastores e líderes que na caminhada ministerial, muitas vezes, se veem em situações de conflito, de crises na liderança, na falta de engajamento para implantação de novas igrejas ou em dificuldades diante dos desafios contemporâneos.

Recentemente, o Palácio do Planalto foi cenário para o lançamento do livro “Porque Deus amou o mundo: Igreja & ODS” (Editora Descoberta¹) que contou com a presença de vários membros da Comissão Nacional para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (CNODS), representantes de organizações da Coalização Igreja & ODS² e autores do livro.

O mundo está em transição. Vamos experimentar muitas mudanças impactantes na sociedade na próxima década. A 4ª revolução já começou. Como a igreja de Cristo mantém vivo seu legado de fé e encontra relevância nos caminhos da missão de Deus? Quais são as tendências e desafios daqui até 2030?

Com o tema ¨Justiça e Transformação Social: Os sinais do Reino¨, a Conferência CADI 2019 terá um amplo espaço de participação, reflexão e engajamento para empreendedores sociais, pastores, líderes, missionários e interessados no tema da Transformação Social na perspectiva do Reino de Deus. 

O novo mote da Faculdade Teológica Sul Americana – FTSA “O tempo que Deus te chama é agora”, usado na Campanha de Vestibular 2019 dos cursos de Graduação em Teologia Presencial e Online, traz uma oportunidade de reflexão àqueles que sentem o desejo de aprender mais sobre Deus, Sua missão e o chamado que Ele tem para cada cristão. O tempo presente é “o agora” em que todos nós precisamos não somente avaliar nosso chamado, mas também exercê-lo com eficiência.


Sul Americana

Rua Martinho Lutero, 277
Gleba Palhano
86055-670 - Londrina, PR

43 3371 0200
contato@ftsa.edu.br

Receba nossas atualizações

Receba nossas notícias e informações em primeira mão