fbpx

A delegação olímpica composta por atletas refugiados chamou nossa atenção e tocou os nossos corações durante a Rio 2016. De acordo com a ONU, uma pessoa em cada 113 foi deslocada por conflito e perseguição em 2015.

Os jogos olímpicos acabaram, mas a crise vivida por 65,3 milhões de pessoas continua. A chama olímpica foi apagada, mas, a chama em nossos corações arde com o desejo de alcançar os refugiados com o amor de Deus.

O número de refugiados reconhecido pelo Brasil entre 2010 e 2016 aumentou 127 por cento. Atualmente, o país abriga quase 9 mil refugiados de 79 nacionalidades, os números maiores envolvem sírios, angolanos, colombianos, congolenses, libaneses, iraquianos, liberianos, paquistaneses e de pessoas provenientes de Serra Leoa.

O Conare - Comitê Nacional para os Refugiados - também informa que o número de solicitações de refúgio nos últimos cinco anos subiu 2.868%, passando de 966 em 2010, para 28.670 no ano passado. A maior parte dos refugiados que busca abrigo no país possui idade entre 18 e 59 anos, incluindo muitas famílias compostas por crianças e adolescentes.

Nos dias 21 e 22 de outubro a Faculdade Teológica Sul Americana realizará o Congresso Diáspora: Alcançando Pessoas em Movimento; entre diversos workshops a serem oferecidos, um em especial tratará da temática sobre refugiados, dirigido por Marcos Stier Calixto. Ele tem 39 anos de ordenação pastoral, formação em Direito (PUCSP) e Teologia (FTBSP), DMIN (FTSA), Missionário da JMM da CBB de 93-2004 entre os árabes, Gerente de Missões com Etnias pela JMN/JMM 2012-2016 e atualmente presidente do CAEBE - Centro de Apoio ao Estrangeiro no Brasil e Exterior (ênfase em refugiados).

Convidamos você para se capacitar para esse ministério tão importante. A tocha está em nossas mãos. Deixe a chama arder!

Angelina Finley